NOTA PARA INICIAR A LEITURA DESTE BLOG: Ao ler este blog, você encontrará algumas palavras com a letra "x" no lugar dos artigos masculino e feminino "o" e "a". Essa substituição é feita na literatura libertária para subverter a linguagem machista, na qual o sexo masculino é priorizado, e para contrapor o binarismo de gênero, ideia que teoriza existir apenas os gêneros masculino e feminino, não levando em consideração transgêneros e afins. Portanto, a letra "x" é utilizada no lugar dos artigos em palavras em que o sexo não é determinado. Ex.: ao invés de dizer "outros", utiliza-se "outrxs", pois estamos falando de todo e qualquer tipo de gênero.

OUTRAS OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: Este e-zine foi escrito em 2010, baseando-se na minha vivência pessoal dentro do movimento punk até o ano em que publiquei os textos, considerando a cena da cidade de São Paulo entre os anos de 2002 e 2010. De lá para cá, alguns pontos de vista foram amadurecendo, o senso crítico foi aumentando e, com isso, alguns dos textos podem não estar atualizados e de acordo com as novas experiências adquiridas ao longo de quase 6 anos passados após a edição deste e-zine. Coloco-me à disposição para trocar informações e debater ideias, com o intuito de manter o punk sempre vivo e ativo: mao_veg@hotmail.com . ÊRA PUNK! (nota adicionada em dezembro de 2015)

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

CAPÍTULO I – O PUNK E O ANARQUISMO


O punk como movimento surgiu em meados dos anos de 1970, com claro contexto de oposição aos padrões vigentes, que aprisionam as pessoas em um sistema de escravidão estética, moral, social, política e comportamental. O punk é justamente a ruptura com essa escravidão. É a liberdade de cada indivíduo em ser o que quiser, livres das amarras do sistema capitalista. Tendo em vista estes intuitos, percebe-se claramente a tendência anarquista no comportamento punk.

Porém, é necessário compreender que o punk e o anarquismo são coisas distintas, que podem se encontrar (e frequentemente se encontram) como complemento de cultura e ação.

O anarquismo como ideia e postura política teve início quando o francês Pierre-Joseph Proudhon se auto-proclamou anarquista. Ele foi a primeira pessoa a defender o anarquismo como postura política e deu força às ideias anarquistas com seus escritos, dentre os quais “Que é Propriedade”, publicado em 1840. Nessa publicação, ele atacava a propriedade privada como sendo a base das desigualdades sociais e defendia novos meios de produção sem exploração, tema que anos mais tarde foi abordado e aprimorado por outrxs anarquistas como Bakunin e Malatesta, entre tantxs outrxs.

Sendo o anarquismo uma filosofia e movimento de libertação social, o punk adotou a postura anárquica, firmando-se como libertário por essência.

Pode-se dizer que o punk é a contestação cultural contra os padrões vigentes, por meio de um visual que confronta o estabelecido, por meio de informativos independentes, livres de manipulação midiática, por meio de música anticomercial e por um pensamento de liberdade. Já o anarquismo é o lado da ação, do protesto, das manifestações políticas. Sendo assim, torna-se infundado separar o punk do anarquismo, quando o punk propõe mudanças sociais e o anarquismo é justamente a ferramenta para a libertação social contra o atual sistema vigente.

5 comentários:

  1. gostei !!

    fóda que muitos punks se dizem anarquistas só pra poder ter a liberdade de fumar maconha sem ninguem pra incomodar =/

    ResponderExcluir
  2. Legal, mas nem todo punk é anarquista e tudo mais, vemos muitos por ai a fora que: sao comunistas, nilistas, Oi!, coloco aqui os mais conhecidos mas temos tambem os gotic punk, hardcore punk entre outros, visar apenas o anarco punk, seria esconder as decadas de luta dos punk que seguem outra ideia nao sendo a anarquia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. disse TUDO ! ser anarquista tmb não me torna um punk

      Excluir
    2. Após mais de um ano, eis que vejo o comentário. Peço desculpas pela imensa demora. Como deixei esse blog em formato de e-zine fechado, não costumo entrar aqui. Primeiramente, agradeço o comentário e espero que possa ler essa resposta. É muito importante essa contribuição de postar as visões, opiniões, fomentar discussões! Muito obrigado!

      Escrevi este e-zine há 5 anos. De lá para cá, minha visão sobre as coisas evoluíram, embora muitas de minhas posturas se mantenham inalteradas.

      Vira Lata, você tem razão quando diz que nem todo punk é anarquista. Como pode notar, em meu texto há muito da minha visão política, e as críticas que faço baseiam-se nas minhas vivências e nas minhas reflexões dentro do movimento punk.

      Quando disse que é infundado separar o punk do anarquismo, baseei-me no fato de que a sede de liberdade perante ao sistema e às injustiças acabam levando punx a adotarem uma posição política, que geralmente coincide com as ideias anarquistas. E por mais que eu soubesse da existência de punx não anarquistas, para mim não fazia muito sentido, já que os princípios são muito semelhantes. Porém, o tempo fez eu perceber que a minha afirmação foi precipitada, já que hoje vejo muitxs punx difundindo a contracultura das formas mais variadas e dentro de posições políticas diferentes, coisa que na época eu não via, pois encontrava ou punx que se diziam anarquistas ou punx apolíticos - que para mim ainda é contradição, já que a cultura em si é expressiva e expressão é política. Talvez eu não reconhecesse outras posturas por naquela época existir menos ativistas punx compondo frentes políticas diversas. Mas enfim, as coisas mudaram e continuam mudando, afinal, a cena vai se modificando e é extremamente dinâmica. Reconheço a existência de outrxs punx fazendo ativismo e contracultura. E que a cena se mantenha sempre! Que possa evoluir!

      Mantenho-me anarquista por essência. Mantenho-me punk por formação (cresci como pessoa dentro do movimento punk). Embora a vida tenha me afastado de muitos rolês, de muitos eventos, em tudo que faço e em tudo que transpareço levo tudo o que aprendi com o punk, que para mim foi, é e sempre será a escola onde mais desenvolvi meu ser.

      A Babi Guns disse que ser anarquista não torna uma pessoa punk. Fato. E disso sempre tive certeza. O anarquismo é uma política secular. O punk é um movimento cultural recente. Enfim, acho que com o que disse acima, é possível compreender melhor minha visão em relação ao assunto.

      Mais uma vez reforço que o texto foi escrito há 5 anos atrás e de lá para cá vivenciei mais coisas, li, refleti, pesquisei, discuti etc. E é isso que torna o punk vivo até hoje!

      Mais uma vez, obrigado por comentarem! E o movimento continua!

      ÊRA PUNK!

      Excluir
  3. O QUE É ANARQUIA, ANARQUISMO E ANARQUISTAS ?!

    O QUE É ANARQUIA É UMA FALACIA, POIS A PERGUNTA CORRETA É: - QUEM É A ANARQUIA!

    Anarquia não é anarquismo nem anarquistas.
    Arquia é o código falansteriano medieval para útero materno.
    Ana é a anarquia ou matriarca dos anarquistas ou ainda matriarca do continente de anatólia.
    Anarquismo é o fazer, pensar e proferir dos anarquistas.
    Anarquistas são edênicos do continente anatólico que foram para a Europa durante a idade medieval e posteriormente, se miscigenando por lá e depois migraram a outros continentes.
    Anarquistas são desta forma células revolucionarias.
    Quando te digo isto como amigo e companheiro digo pois amo a sua e a minha vida.
    Pois quando os turcos chegarem e empunharem as suas espadas piratas islâmicas contra você e te disserem:
    - ANA É A NOSSA MÃE, SEU .... Não diga que este amigo não te avisou!
    A Burguesia discute quem é que vai morrer e te fazem falacias para te entregar a quem ira te matar para eles viverem.
    Em nome de nosso PAI (Partido Anarquista Internacional) eu quero que você viva e não morra, para que possamos viver em Bonanza e unidos contra o autoritarismo.

    Qualquer um pode ir ao PAI, mais só vai ao PAI se for por mim!
    Eu sou o caminho, a porta e a salvação. Qualquer pessoa que entrar por mim, será salva. Entrará e sairá; e encontrará o paraíso edênico.
    Jessus Cristo.

    Filhos de Ares com Ana: Raça Ariana.
    Filhos de Hindu com Ana: Raça Indiana.
    Filhos de Éden e Ana: Raça Ediana.
    Filhos ...

    Anarquistas são o PAI que ainda não é PAI dos filhos de Ana.
    Se te aviso é porque te amo e quero te ver vivo!

    http://partidoanarquistainternacional.blogspot.com.br/2016/10/o-que-e-anarquia-anarquismo-e.html

    ResponderExcluir