NOTA PARA INICIAR A LEITURA DESTE BLOG: Ao ler este blog, você encontrará algumas palavras com a letra "x" no lugar dos artigos masculino e feminino "o" e "a". Essa substituição é feita na literatura libertária para subverter a linguagem machista, na qual o sexo masculino é priorizado, e para contrapor o binarismo de gênero, ideia que teoriza existir apenas os gêneros masculino e feminino, não levando em consideração transgêneros e afins. Portanto, a letra "x" é utilizada no lugar dos artigos em palavras em que o sexo não é determinado. Ex.: ao invés de dizer "outros", utiliza-se "outrxs", pois estamos falando de todo e qualquer tipo de gênero.

OUTRAS OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: Este e-zine foi escrito em 2010, baseando-se na minha vivência pessoal dentro do movimento punk até o ano em que publiquei os textos, considerando a cena da cidade de São Paulo entre os anos de 2002 e 2010. De lá para cá, alguns pontos de vista foram amadurecendo, o senso crítico foi aumentando e, com isso, alguns dos textos podem não estar atualizados e de acordo com as novas experiências adquiridas ao longo de quase 6 anos passados após a edição deste e-zine. Coloco-me à disposição para trocar informações e debater ideias, com o intuito de manter o punk sempre vivo e ativo: mao_veg@hotmail.com . ÊRA PUNK! (nota adicionada em dezembro de 2015)

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

CAPÍTULO XV – A CONSCIÊNCIA ALÉM DO PUNK




O mundo não precisa do punk. O punk é que precisa do mundo. O ser vivo precisa do mundo, de um mundo livre de crueldades! É muita pretensão achar que só porque somos punks temos mais atitude do que outras pessoas. É muita pretensão achar que só porque somos punks vamos mudar o mundo. Há milhões de pessoas fora do movimento punk que também contribuem com um mundo mais ameno, mais justo!

E vale lembrar que antes de sermos punks somos seres humanos. Temos nossas consciências que nos levaram a lutar por um ambiente melhor, e então nos encontramos no ideal punk.

Preciso dizer também que não existe o fato de “virar punk”. Quem “vira” punk pode “desvirar” a qualquer hora. Ninguém escolhe ser punk. Ninguém acorda e diz “hoje quero ser punk”. Nós nos descobrimos punks, nós nos encontramos dentro do ideal libertário e dentro da contracultura, nós nos vimos dentro desse contexto. Ser punk é uma condição, é algo que está dentro de nossos corações!

Não temos a pretensão de buscar um mundo punk, claro que não! Assim como nós nos encontramos na contracultura punk, outros indivíduos se encontram em outras culturas. E eis a graça da diversidade! O importante é manter essas diferenças culturais em harmonia, sem desrespeito e sem apoiar o sistema opressor!
Existe um mundo cheio de surpresas e conhecimento dentro do punk, mas fora dele também há outros mundos tão cheios de beleza quanto a própria contracultura que defendemos!

Ser punk é indescritível, estar vivo é ainda mais! Aproveitemos nossas vidas, buscando sempre o bem-estar e a ruptura com as desigualdades!

O PUNK ESTÁ VIVO e enquanto houver injustiças a combater, culturas para se conhecer, lazeres para aproveitar, então o punk continuará sua estrada!

Se nós mesmxs não matarmos o punk, então ninguém mais matará! ÊRA PUNK! RESISTÊNCIA LIBERTÁRIA!

Paz, Saúde e Anarquia!

Esse documento foi escrito por Mao Punk, em julho de 2010.
Contato: colunaslibertarias@yahoo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário